Ivete Sangalo prolonga ‘Arraiá da Veveta’ em disco com registros reverentes de hits juninos | Blog do Mauro Ferreira

Ivete Sangalo prolonga ‘Arraiá da Veveta’ em disco com registros reverentes de hits juninos | Blog do Mauro Ferreira


Título: Arraiá da Veveta

Gravadora: Universal Music

♪ Sem aviso prévio, Ivete Sangalo lançou álbum com regravações de dez músicas associadas às festas juninas que tradicionalmente animam o circuito nordestino de shows nos meses de junho e julho.

Editado duas semanas após o single Localizei, posto no mercado em 12 de junho com inédita música romântica de Samuel Álan, o disco prolonga a live Arraiá da Veveta, feita pela artista baiana na noite de sábado, 20 de junho.

Também intitulado Arraiá da Veveta e caracterizado como EP ao ser apresentado no domingo, 21 de junho, o disco junino de Ivete encadeia dez sucessos em nove faixas que totalizam 29 minutos em configuração que o deixa mais próximo do formato de álbum do que de EP.

Valorizando o toque da sanfona, instrumento que dita a cadência dos arraiais, a cantora baiana soa extremamente reverente no disco ao abordar músicas como o xote Eu só quero um xodó (Dominguinhos e Anastácia, 1973), Esperando na janela (Targino Gondim, Manuca Almeida e Raimundinho do Acordeom, 2000) – música lançada há 20 anos na voz de Gilberto Gil em gravação feita para a trilha sonora do filme Eu tu eles (2000) – e Último-pau-de arara (Venâncio, Corumba e José Guimarães, 1956).

Composição que louva a vida no sertão, Último pau-de-arara aparece desatentamente grafada no disco, nos créditos das plataformas de áudio, como Pau-de-arara (Luiz Gonzaga e Guio de Moraes, 1952), em confusão recorrente no universo pop pela temática e títulos similares das composições.

Cantora que sabe animar a festa, Ivete soa lúdica ao acentuar a malícia de O chevette da menina (Durval Vieira e Macambira, 1982), sucesso de Genival Lacerda já gravado pela artista há dez anos, em dueto com o próprio cantor, no álbum 60 anos de forró com muita alegria (2010). Ivete entra no clima jocoso d’O chevette da menina com versos autorreferentes que potencializam a graça da música.

Na sequência, na cadência dengosa do xote, Ivete revive Dona da minha cabeça e Chorando e cantando, duas músicas da parceria de Geraldo Azevedo com Fausto Nilo, ambas coincidentemente lançadas no mesmo ano de 1986.

Compositor predominante no repertório do disco Arraiá da Veveta, Geraldo Azevedo também é um dos autores – juntamente com Alceu Valença e Zé Ramalho – de Táxi lunar (1979), música cantada por Ivete em registro amplificado pelo toque da guitarra harmonizada com sanfona no arranjo cheio de energia.

Caloroso, o disco Arraiá da Veveta também traz sucessos da axé music para o universo forrozeiro. Com direito a cacos na letra para explicitar o tom forrozeiro da abordagem, a cantora recicla Vem meu amor (Silvio e Guio, 1992) – sucesso do grupo baiano Olodum em 1992 que a Banda Eva tomou para si a partir de 1997 no álbum ao vivo que marcou o auge da trajetória de Ivete como vocalista da Eva – e fecha o EP com medley em que agrega Flor do reggae (Ivete Sangalo, Gigi e Fabinho O’Brian, 2004) e Mega beijo (Lourenço, 2005).

Até pela coesão do repertório, fato bissexto na discografia da cantora, o álbum Arraiá da Veveta se impõe como um melhores títulos da obra fonográfica de Ivete Sangalo. Em disco, o arrasta-pé da baiana tem axé!



Fonte

Deixe uma resposta